Vídeos

Visitas

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

AVALIAÇÃO DO EFEITO CICATRIZANTE E ANTIMICROBIANO DA GEOPRÓPOLIS DE Melipona fasciculata Smith DA BAIXADA MARANHENSE

AVALIAÇÃO DO EFEITO CICATRIZANTE E ANTIMICROBIANO DA GEOPRÓPOLIS DE Melipona fasciculata Smith DA BAIXADA MARANHENSE

Aramys Silva dos Reis, Mayara Cristina Pinto da Silva, Anne Karine Martins Assunção, Eder Magalhães da Silva Fialho, Diego Arruda Lopes, Lucilene Amorim Silva, Rosane Nassar Meireles Guerra, Maria Nilce Sousa Ribeiro e Flávia Raquel Fernandes do Nascimento FARMÁCIA-BIOQUÍMICA, UFMA

Introdução: O processo de cicatrização consiste em uma perfeita e coordenada cascata de eventos celulares e moleculares que interagem para que ocorra a reconstituição do tecido. Porém, muitas alterações metabólicas, a exemplo da Diabetes, podem alterar esse processo, levando a um retardo da cicatrização. Vários fatores estão associados ao retardo da cicatrização em portadores de diabetes, sendo os principais a neuropatia, a isquemia, as infecções, a deficiência de fatores de crescimento e matriz extracelular e outros. Sabendo que a geoprópolis de Melipona fasciculata é amplamente utilizada pela população nordestina, e considerando suas propriedades, anti-inflamatória, imunomoduladora e antimicrobiana, esse trabalho tem por objetivo avaliar o efeito cicatrizante e antimicrobiano do extrato hidroalcoólico da geoprópolis de Melipona fasciculata Smith sobre lesões de pele em camundongos diabéticos não obsesos (NOD - Non Obese Diabetic). 


Material e Métodos: Após anestesia, foram induzidas lesões na pele de 40 camundongos NOD fêmeas com 3 meses de idade. Os animais foram então divididos em 4 grupos (n=10/grupo): grupo controle (C) que foi tratado apenas com o excipiente; grupo DFC que recebeu uma pomada composta de desoxirribonuclease (666U/g), fibrinolisina (1U/g) e clorafenicol (10mg/g); grupos geoprópolis (GP2,5 e GP5) que receberam a pomada de geoprópolis nas concentrações de 2,5% e 5%, respectivamente. Os trataments foram aplicados diariamente, por via tópica, até a completa reparação do tecido. Nos dias 0, 3, 6, 10 e 14 foram mensuradas a área da lesão e foi feita a análise microbiológica e histopatológica das lesões. 

Resultados: A partir do 3º dia de tratamento foi observada uma aceleração do processo cicatricial no grupo DFC (35,23%) e no grupo GP5 (39,20%) quando comparados ao grupo C (19,40%). No sexto dia, os dois grupos tratados com pomada de geoprópolis apresentavam uma lesão menor que o controle (C: 26,8%; DFC: 48,9%; GP2,5: 51,16%; GP5: 54,0%). O mesmo padrão de aceleração da cicatrização se manteve no 10º dia (C: 60,8%; DFC: 78,0%; GP 2,5: 88,6%; GP5: 87,0%) e no 14º dia. Houve colonização por bactérias na maioria das lesões, tanto no controle como nos grupos tratados com geoprópolis, entretanto, no grupo DFC foi observada colonização bacteriana somente em 2 dos 6 animais no 3º dia. Conclusões: Os dados mostram que a geoprópolis de Melipona fasciculada da baixada maranhense possui um potente efeito cicatrizante, mas não possui um efeito bactericida ou bacteriostático in vivo. Apoio Financeiro: CNPq, BASA, FINEP, CAPES, UFMA Palavras-Chave: Geoprópolis, Melipona fasciculata, Cicatrização, Diabetes

http://www.pibic.ufma.br/docs/bab653938423dd282156156de2a19cf6.pdf

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Livro: Manual de Boas Práticas para Manejo e Conservação de Abelhas Nativas (Meliponíneos)

Acesse:

www.fzb.rs.gov.br/upload/20150311161106meliponicultura_manual.pdf


Fábula: O Urso e as abelhas

O Urso e as Abelhas



Um urso topou com uma arvore caída que servia de depósito de mel para um enxame de abelhas. Começou a farejar o tronco quando uma das abelhas do enxame voltou do campo de trevos. Adivinhando o que ele queria, deu uma picada daquelas no urso e depois desapareceu no buraco do tronco. O urso ficou louco de raiva e se pôs a arranhar o tronco com as garras na esperança de destruir o ninho. A única coisa que conseguiu foi fazer o enxame inteiro sair atrás dele. O urso fugiu a toda a velocidade e só se salvou porque mergulhou de cabeça num lago.

Moral: Mais vale suportar um só ferimento em silêncio que perder o controle e acabar todo machucado.


Fábula de Escopo

Fontes e créditos:
http://metaforas.com.br/o-urso-e-as-abelhas
http://motivacaoefoco.com.br/fabula-do-urso-e-as-abelhas/


O Urso e as Abelhas.


Um Urso procurava por entre as árvores, pequenos frutos silvestres para sua refeição matinal, quando deu de cara com uma árvore caída, dentro da qual, um enxame de abelhas guardava seu precioso favo de mel.

O Urso, com bastante cuidado, começou a farejar em volta do tronco tentando descobrir se as abelhas estavam em casa.

Nesse exato momento, uma das abelhas estava voltando do campo, onde fora coletar néctar das flores, para levar à colmeia, e deu de cara com o matreiro e curioso visitante.

Receosa do que pretendia o Urso fazer em seguida, ela voou até ele, deu-lhe uma ferroada e desapareceu no oco da árvore caída.

O Urso, tomado de dor pela ferroada, ficou furioso, e incontrolável, pulou em cima do tronco com unhas e dentes, disposto a destruir o ninho das abelhas. Mas, isso apenas o fez provocar uma reação de toda colmeia.

Assim, ao pobre Urso, só restou fugir o mais depressa que pode em direção a um pequeno lago, onde, depois de nele mergulhar e permanecer imerso, finalmente se pôs à salvo.

Moral da História:

É mais sábio suportar uma simples provocação em silêncio, que despertar a fúria incontrolável de um inimigo mais poderoso.


Curiosidade:Abelha-rainha fica presa em porta-malas e operárias perseguem carro por dois dias


Abelha-rainha fica presa em porta-malas e operárias perseguem carro por dois dias

Cena inusitada aconteceu em Pembrokeshire, na Inglaterra
Da Redação (redacao@correio24horas.com.br)
Atualizado em 24/05/2016 17:19:40
  
Cerca de 20 mil abelhas foram atraídas ao veículo

Uma cena inusitada aconteceu em Pembrokeshire, na Inglaterra. Um enxame com cerca de 20 mil abelhas perseguiu um veículo Mitsubishi Outlander atrás da abelha-rainha, que havia ficado presa no porta-malas do carro. Os insetos permaneceram atrás da soberana por dois dias. 

Milhares de abelha seguem rainha presa em porta-malas
Segundo Roger Burns, do grupo de cultivadores de abelhas Pembrokeshire Beekeepers, o motorista dirigiu sem perceber que a rainha estava presa no porta-malas. Quando estacionou, os insetos cobriram boa parte da traseira do veículo. 
(Foto: Reprodução/Facebook)
Roger usou um caixa de papelão para retirar os insetos, no entanto, o vento forte levou a rainha de volta ao porta-malas. Ele observou o movimento dos insetos durante um tempo e quando era substituído por outro integrante do Pembrokeshire Beekeepers, o motorista deixou o local, sem se dar conta que a abelha-rainha havia voltado para o carro.
Especialista tenta afastar as abelhas
(Foto: Reprodução/Facebook)
O veículo foi visto sendo seguido pelo enxame em outro ponto da cidade. Após intervenções de cinco  especialistas e guardas florestais, o inseto foi libertado. "Crio abelhas há 30 anos e nunca tinha visto um enxame fazer isso. É natural as abelhas seguirem a rainha, mas é surpreendente que sigam um carro por dois dias", disse Roger.

Umburana - "Pau de Abelha" - Proteger a umburana é conservar as abelhas nativas

Umburana - "Pau de Abelha" - Proteger a umburana é conservar as abelhas nativas
Uma jovem planta de umburana de cambão